Vá para o conteúdo
Voltar para ínicio
Redução do uso de antibióticos em aves

Redução do uso de antibióticos em aves

A saúde intestinal é fundamental para a produção livre de antibióticos e é por isso que oferecemos um conjunto inovador de soluções para a gestão do desempenho intestinal.

O uso excessivo de antibióticos em seres humanos e animais tem sido associado a uma maior incidência de resistência aos antibióticos em bactérias o que prejudica a eficácia do tratamento com antimicrobianos. Essencialmente, o uso de antibióticos é essencial para compreendermos os esforços para sua redução na produção avícola.

Nossos clientes têm aderido cada vez mais ao uso responsável de antibióticos, o que ajuda a preservar seu valor terapêutico para o tratamento de humanos e animais. Ajudamos nossos clientes na sua iniciativa para retirar os antibióticos promotores de crescimento e adotar estratégias de alimentação livres de antibióticos (ABF).

Atinja seu objetivo quanto ao uso de antibióticos

A descoberta dos antibióticos em 1920 revolucionou a medicina e salvou inúmeras vidas. Na década de 40 a descoberta de que doses subterapêuticas de antibióticos eram capazes de promover o crescimento de animais de produção transformou a indústria de proteína animal, aumentando a rentabilidade e permitindo alimentar uma população crescente.

A saúde intestinal é fundamental na produção livre de antibióticos e é por isso que oferecemos um conjunto inovador de soluções para a gestão do desempenho intestinal. 

A combinação personalizada de aditivos para rações desenvolvida pela BIOMIN pode ajudá-lo a atingir seus objetivos quanto à redução do uso de antibióticos.
Franz Waxenecker, Diretor de Desenvolvimento e Inovação

Desafios para a redução do uso de antibióticos

Quando os antibióticos são retirados dos sistemas de produção modernos frequentemente surgem outros problemas. A prevenção da enterite necrótica sem a inclusão de medicamentos na ração é um dos maiores desafios da transição de sistemas convencionais para sistemas de produção livres de antibióticos (ABF). 

A contaminação por micotoxinas torna-se mais importante, os desafios de patógenos aumentam e as práticas inadequadas de manejo são evidenciadas – tudo isso além da lacuna de desempenho que deve ser eliminada.

Resolver a questão da resistência aos antimicrobianos e eliminar perda de desempenho que surge quando os antibióticos são retirados da dieta são os dois maiores desafios para assegurar uma rentabilidade sustentável na indústria avícola e manter a eficiência dos antibióticos no futuro.

Estratégias de manejo da saúde intestinal na produção de aves livres de antibióticos

As exigências dos consumidores, os regulamentos e a ausência de novas moléculas antimicrobianas são fatores contribuintes para a tendência atual 
de redução do uso de antibióticos a longo prazo nos modernos sistemas de produção de aves. 

Embora a necessidade de educar os consumidores sobre a produção de alimentos continue sendo uma questão em aberto, é a capacidade da bactéria de tornar-se resistente a um ou mais antibióticos — tornando-os ineficazes — e as profundas implicações para a saúde humana e animal que justificam a necessidade de reduzir o uso dos antibióticos. 

Qualquer tipo de uso de antibióticos em seres humanos, animais ou plantas pode promover o desenvolvimento e disseminação da resistência aos antibióticos.
Organização Mundial da Saúde (2011)
How Antibiotic Resistance Happens
How Antibiotic Resistance Happens
Source: https://www.cdc.gov/

O reconhecimento de que o do uso de antibióticos em animais de produção é um fator de risco para o desenvolvimento de bactérias resistentes explica por que esse fenômeno continua a ser alvo de maior atenção pelas autoridades reguladoras e de saúde de todo o mundo, particularmente no caso de antibióticos considerados importantes para a medicina humana. 

Esta preocupação é distinta do fato de que os resíduos de antibióticos poderem penetrar na carne e nos ovos: já se estabeleceram períodos de retirada e monitoramento para garantir que os antibióticos não entrem na cadeia alimentar.

O futuro dos antibióticos é (apenas) para o uso terapêutico

Historicamente, as motivações para o uso de antibióticos na produção animal dividem-se em três categorias: promoção do crescimento, prevenção de doenças e tratamento terapêutico. A tendência das restrições governamentais sobre os antibióticos tem sido bastante clara: o uso dos antibióticos como promotores de crescimento serão desencorajados. 

Felizmente, os novos promotores de crescimento podem proporcionar muitos benefícios para a produção avícola moderna. Leia ferramentas de substituição dos antibióticos promotores de crescimento estão prontas para a ação””As </

Os países que buscam limitar a aplicação de antibióticos em animais normalmente iniciam com restrições de um ou alguns antibióticos promotores de crescimento (APCs) e frequentemente são seguidas da proibição do uso dos APCs.

Para a promoção do crescimento, as doses de antibióticos utilizadas são inferiores à Concentração Inibitória Mínima (CIM), que é o nível necessário para garantir a inibição total do crescimento bacteriano (conhecido como efeito bacteriostático). Isso indica que as doses são muito baixas para inibir o crescimento dos patógenos no intestino o que já foi confirmado por diversos estudos científicos.

The move toward prudent antibiotics use in livestock
The move toward prudent antibiotics use in livestock | Source: BIOMIN

Pelo menos 32 países impuseram uma proibição do uso de APCs a nível nacional e 35 exigem que seja feita uma prescrição por um veterinário.

Como próximo passo, alguns países — embora não todos — procuram controlar o uso de antibióticos de maneira preventiva ou profilática, limitando assim sua utilização para o tratamento de doenças. No entanto, essas medidas não são sempre suficientes para reduzir o uso de antibióticos em animais de produção.

Prevalência da resistência aos antibióticos em aves

Existem vários programas de monitoramento que investigam os níveis de bactérias resistentes a antibióticos em animais no mundo todo. Agregando os dados de 19 países que registraram a resistência antimicrobiana à E. coli em aves podemos observar que países como a Noruega e a Suécia, que fazem um uso menos intensivo
de antibióticos, mostram menores níveis de E. coli resistente a certos antibióticos. Essa observação, juntamente com a pressão contínua dos consumidores que são clientes de supermercados e redes de fast food, aumenta a probabilidade de que mais países optem por restringir cada vez mais o uso de antibióticos para o tratamento de doenças. (Para saber mais, leia “Como reduzir a resistência aos antibióticos em granjas avícolas”). 

Em primeiro lugar o uso indevido de antibióticos e o uso de doses subterapêuticas para prevenção podem contribuir para o desenvolvimento da resistência bacteriana.

Em segundo lugar, alguns antimicrobianos que têm como alvo o DNA das bactérias, como exemplo as quinolonas, podem facilmente produzir mutações que tornam os microrganismos cada vez mais resistentes aos medicamentos. Seu uso pode deixar metabólitos altamente resistentes aos antibióticos nos galpões, tornando-os reservatórios para a disseminação da resistência aos antibióticos nos arredores e na cadeia alimentar humana e animal. Essas bactérias mutantes irão sobreviver e se proliferar dando origem a outras bactérias que também podem ser altamente resistentes. Assim, em um curto espaço de tempo, os agentes de desinfecção e outros procedimentos profiláticos se tornarão onerosos e, por fim, ineficazes para o tratamento.

Resistência aos antibióticos em aves

Em terceiro lugar, os antibióticos beta-lactâmicos, incluindo os carbapenêmicos (da classe dos β-lactâmicos), são frequentemente usados para controlar um amplo espectro de bactérias GRAM positivas e GRAM negativas. Esses antibióticos têm um elemento comum em sua estrutura molecular: um anel de quatro átomos: chamado de anel beta-lactâmico.

Esse é um ponto fraco comum e estratégico, uma vez que as bactérias podem secretar enzimas (beta-lactamases) e através de uma reação de hidrólise a lactamase quebra e abre o anel beta-lactâmico. Como consequência, a estrutura da molécula é quebrada e suas propriedades antibacterianas são desativadas reduzindo a eficácia do medicamento.

Atualmente, não há novos antibióticos no mercado para controlar as bactérias resistentes aos carbapenêmicos e a disseminação mundial do gene de resistência é vista com muita preocupação.

Efeitos negativos dos antibióticos

Além da preocupação com a resistência aos antibióticos, o uso e abuso dos antibióticos pode ter algumas consequências negativas para as aves:

  • O tratamento prolongado com tetraciclinas pode ter efeitos catabólicos e imunossupressores, reduzir a microbiota intestinal normal e aumentar a suscetibilidade das aves às infecções oportunistas.
  • Liberação de quantidades prejudiciais de endotoxinas ou lipopolissacarídeos que têm um impacto negativo sobre as aves
  • Os antibióticos destroem a microbiota intestinal benéfica e a nociva. A microbiota benéfica é a primeira linha de defesa que previne o estabelecimento de pontenciais patógenos. A microbiota intestinal das aves é capaz de produzir agentes antimicrobianos naturais como as bacteriocinas. Especialmente em aves jovens, a destruição dos microrganismos comensais deixa a porta aberta para o desenvolvimento de bactérias nocivas e coccídias.

Alguns antibióticos, como os aminoglicosídeos e as sulfonamidas podem prejudicar a função renal e a absorção de minerais, especialmente em aves jovens e desidratadas. Tratamentos prolongados ou com doses altas podem causar distúrbios renais crônicos.

O uso contínuo e prolongado de fluoroquinolonas em aves pode causar o desenvolvimento de resistência a este antibiótico em Campylobacter spp. Eles também podem causar danos ao tecido cartilaginoso (condrotoxicidade) quando utilizados em doses acima das recomendadas. Veja 10 dicas para controlar Campylobacter em sua granja.

Alternativas aos antibióticos

Nos últimos anos nosso conhecimento científico avançou muito, comprovando novas soluções não antibióticas para a profilaxia e metafilaxia em lotes de animais, como, por exemplo, através do suporte imunológico e do manejo do desempenho intestinal. 

O desafio para os produtores que adotaram programas de retirada dos antibióticos ou que estejam em países onde seu uso está sendo reduzido, é reduzir o uso de antibióticos enquanto se mantêm um alto desempenho.

Os novos aditivos para rações permitem que veterinários e produtores utilizem medidas preventivas para evitar a necessidade de tratamento.

Essas medidas incluem diversas opções que estimulam o sistema imunológico, protegem a integridade intestinal, criam um ambiente desfavorável para as bactérias nocivas, controlam as bactérias nocivas sem efeitos prejudiciais para o hospedeiro e sem produzir resistência, além de permitir o total funcionamento do sistema imune inato das aves.

Na produção animal moderna, é necessário incluir promotores de crescimento nas rações, assim como é necessário prevenir as doenças. O melhor caminho a seguir será uma combinação de aditivos para rações, melhor biossegurança, programas de vacinação e melhores práticas de manejo — conforme se observa em produtores e zonas geográficas que já implementaram essa mudança.

Cenários de redução do uso de antibióticos

A substituição dos antibióticos na produção animal abre uma complexidade considerável em termos de espécie, clima, fase de produção, idade, sistemas de produção e zona geográfica.

Portanto, é necessária uma solução personalizável que possa acomodar todos estes fatores. Isto pode ser feito através da identificação da combinação correta de probióticos, fitogênicos, ácidos orgânicos e/ou desativadores de micotoxinas que permita obter os resultados esperados em uma determinada situação.  Uma análise dos seguintes cenários mostra como os diferentes sistemas de produção avícola em diferentes países podem se beneficiar de combinações variáveis de aditivos nutricionais a fim de responder da melhor forma aos desafios locais específicos.

Desafio por patógenos nos Estados Unidos

Considere uma granja com sistema de criação sobre cama espessa no sudeste dos EUA, onde se tem um alto nível de contaminação por Clostridium perfringens bactéria formadora de esporos e altos teores de nitrogênio na dieta – resultado de níveis mais altos de proteína, provavelmente devido ao uso de subprodutos de origem animal. 

A bactéria C. perfringens que produz a toxina alfa não é particularmente virulenta, embora seu crescimento descontrolado possa reduzir o desempenho do lote, a menos que ela transporte genes de toxina específicos,
como o NetB. A retirada dos antibióticos requer uma solução que promova o controle de patógenos, além de análises das fontes e qualidade das proteínas.

Uma solução adequada seria aplicar um aditivo fitogênico para rações (AFR) para exercer pressão sobre as bactérias GRAM positivas e incluir um produto à base de ácidos orgânicos para ajudar no combate às bactérias GRAM negativas.

América Latina
Excesso de desinfecção na Europa

Uma granja de frangos de corte na Europa é um exemplo de instalação que, devido às medidas excessivas de higiene, tornou-se excessivamente “limpa”, resultando na eliminação tanto de bactérias nocivas como bactérias benéficas presentes no ambiente intestinal. A aplicação de um probiótico específico para aves na água de bebida nos primeiros três dias estabeleceria rapidamente um microbioma intestinal saudável e ajudaria no desenvolvimento do sistema imunológico. 

A inclusão de um AFR na ração poderia aumentar a digestibilidade e reduzir a inflamação, resultando em uma melhor conversão alimentar. A combinação poderia ser reintroduzida na ração final.

Estados Unidos e Canadá
Bactérias GRAM negativas na América Latina

Em outro cenário, considere o caso dos desafios por Salmonella spp, baixa qualidade dos pintinhos e lotes de reprodutoras com baixo desempenho. O uso de antibióticos é permitido na produção e as flutuações cambiais desencorajam a perspectiva de mudança para novos promotores de crescimento (NPCs). 

Nesse caso, faria sentido aplicar um probiótico desde o início e um produto à base de ácidos orgânicos ao longo das fases de crescimento. Os probióticos específicos para aves introduziriam as cepas bacterianas essenciais no trato gastrointestinal, promovendo o seu desenvolvimento e excluindo competitivamente os patógenos do intestino.. 

O produto à base de ácidos orgânicos manteria um ambiente intestinal desfavorável para as bactérias GRAM negativas. Ambos os produtos podem ser aplicados simultaneamente, via ração ou água de bebida, proporcionando total flexibilidade na sua utilização.

Europa

A BIOMIN ajuda você a atingir seus objetivos quanto à redução do uso de antibióticos

A redução e retirada dos antibióticos das dietas de aves requer uma abordagem de 360 graus que inclui uma boa gestão da granja, nutrição, biossegurança, higiene e um sólido programa de saúde e vacinação. 

Oferecemos suporte aos nossos clientes durante o processo de redução do uso de antibióticos através de consultorias no local que mostram como usar os sete pilares da saúde intestinal das aves para o sucesso desse processo de redução

Nossas soluções podem ser aplicadas para ajudar a reduzir parcial ou totalmente o uso de antibióticos, promovendo a saúde e o bem-estar dos animais e mantendo a rentabilidade.

Reconhecemos que cada granja tem seu próprio conjunto de condições e é por isso que nossa equipe internacional de especialistas está disponível para ajudá-lo na identificação dos desafios locais, fornecendo soluções personalizadas que compõem nosso kit de ferramentas e ajudam a obter o desempenho desejado.

7 Levers of Poultry Gut Health
7 Levers of Poultry Gut Health | Source: BIOMIN

A BIOMIN sugere estabelecer prioridades para a prevenção, incluindo:

  • Implementação de um programa confiável e contínuo de gestão do risco de micotoxinas e avaliação periódica dos ingredientes das rações.
  • Uso preventivo de um desativador de micotoxinas comprovado para combater as micotoxinas e promover a proteção imunológica, a integridade intestinal e as funções hepática e renal.
  • Estabelecimento de uma microbiota intestinal benéfica no início usando um probiótico específico para aves de modo a promover a eubiose e o desenvolvimento máximo do sistema imunológico e do trato gastrointestinal.
  • Promover a integridade intestinal com o uso de aditivos fitogênicos para rações que contenham propriedades anti-inflamatórias, antimicrobianas e antiprotozoárias, reduzindo o risco causado por diversos patógenos, como as Eimeria e o Clostridium spp.
  • Melhorar a qualidade da água de bebida através da acidificação.
  • Garantir uma higiene adequada através da aplicação de acidificantes à base de ácidos orgânicos específicos para aves, que sejam capazes de reduzir a carga de patógenos GRAM negativos no intestino.

A boa notícia

  • Antibiotic resistance enables bacteria to survive and continue to grow instead of being killed or inhibited by therapeutic doses of the drug. The rise of antibiotic resistance puts one of the great medical findings of all time at risk.

    Fortunately, innovative tools shown to be safe, effective and profitable for the industry are available that can enable the industry to reduce antibiotic usage – preserving the value of antibiotics for treatment.

Soluções

Loading

Artigos relacionados