Vá para o conteúdo
Voltar para ínicio
Voltar
  • Mycofix
  • Suínos
  • Mycofix
  • Suínos

Necrose de Cauda em Suínos

A necrose de cauda é um quadro comum que acontece de forma imprevisível e pode comprometer o desempenho tanto de leitões com poucos dias de vida até animais na fase de terminação. Dependendo da gravidade é possível acontecer o descarte do suíno ou a condenação do mesmo no momento do abate.

Augusto Heck

Em resumo

A necrose de cauda é um quadro comum que acontece de forma imprevisível e pode comprometer o desempenho tanto de leitões com poucos dias de vida até animais na fase de terminação. Dependendo da gravidade é possível acontecer o descarte do suíno ou a condenação do mesmo no momento do abate.

A cauda de um leitão varia bastante no comprimento, tendo como média 9 cm e uma amplitude entre 5 e 13 cm. Em leitões novos ela inicia como um anel constritor de tecido morto em qualquer parte da cauda que inviabiliza o suprimento sanguíneo desse ponto em diante, até a extremidade. A cauda apresenta uma ferida de cor marrom, rígida, retraída e quebradiça, rompendo facilmente. Outra apresentação de início desse tecido necrosado pode ocorrer na ponta da cauda, seja ela cortada como prática de manejo ou não, e gradualmente indo em direção a sua inserção.

Em muitos casos a ocorrência da necrose de cauda está associada com uma dermatite bacteriana como as provocadas por Staphylococcus hyicus, Streptococcus β hemolítico e Erysipela sp. Um desses agentes penetra na pele, gera inflamação que pode bloquear a circulação sanguínea para as extremidades e, consequentemente, a morte tecidual. Associado à contaminação bacteriana secundária existe uma lesão primária que pode ser originária de: abrasividade de pisos quando da busca do mamilo na lactação; lutas e ferimentos delas advindos uma vez que os dentes dos leitões são como agulhas que podem inocular bactérias da cavidade oral como da superfície corporal; corte da cauda por equipamentos contaminados ou má cauterização do coto remanescente permitindo uma solução de continuidade.

Em suínos maiores a necrose das extremidades é uma sequela comum de infecções sistêmicas, pelo dano arterial que diminui o suprimento sanguíneo ou pode ocorrer como uma reação de hipersensibilidade tipo III, com acúmulo de complexos antígeno/ anticorpo que ocluem os capilares. Tais lesões geralmente ocorrem depois um surto da doença e podem ser vistas na convalescência. Esses tipos de lesões são observados em associação com Erisipela sp., Haemophilus parasuis e infecções sistêmicas por Salmonella sp., mas também podem ocorrer como parte da síndrome de dermatite e nefropatia suína provocada pelo Circovírus Suíno tipo 2.

Fatores ambientais também podem explicar a ocorrência de necrose de orelha. Umidade relativa do ar, pequenos ferimentos ocasionados pelo piso ripado, resíduo de desinfetantes alcalinos nas instalações são alguns exemplos.

Em relação ao manejo, os suínos podem pisar ou morder a cauda por falta de interação com materiais fibrosos ou enriquecimento ambiental. Elevada densidade, competição por espaço também desempenham um papel, potencialmente em resposta ao desconforto causado pela temperatura ambiente muito baixa ou muito alta, presença de correntes de ar ou disputa por acesso ao comedouro. A transferência de animais e outros estressores ambientais podem gerar a frustração e, na sequência, a mordedura da cauda.

A densidade elevada ajuda a reduzir os níveis de anticorpos em suínos, afetando o colostro e a produção de leite de porcas, podem aumentar ainda mais o problema. Os leitões também ingerem endotoxinas do leite da mãe e isso também foi descoberto pelos pesquisadores como responsáveis ​​pela inflamação e necrose nas orelhas e caudas dos leitões.

A prevalência de endotoxinas também tende a deprimir as funções hepáticas e renais. Um efeito disso é que a eficiência da coagulação sanguínea é reduzida, o que, por sua vez, agrava mais o sangramento de áreas necróticas e, portanto, possivelmente aumento do interesse em morder por parte dos suínos.

Uma dieta desequilibrada, faltando biotina, triptofano, sal, proteína ou alguns outros aminoácidos específicos pode favorecer à necrose da cauda. O excesso de energia e o desconforto intestinal também podem ser fatores contribuintes. Por outro lado, o excesso de proteína associado a falta de fibra também pode favorecer a ocorrência do quadro pois o peristaltismo e a acidez intestinal diminuem e isso favorece o crescimento de bactérias gram-negativas. A falta de água ou a contaminação da mesma também favorecem a ocorrência. Esses desbalanços nutricionais favorecem o aumento da produção de subprodutos de degradação microbiana, como lipopolissacarídeos. Esses últimos provocam um quadro inflamatório que leva a redução do suprimento de sangue. A cauda e outras extremidades ficam dolorosas, irritadas e finalmente necróticas.

Micotoxinas como a Aflatoxinas, Tricotecenos e Alcalóides de Ergot tem associadas à sua ocorrência no alimento dos suínos com episódios de necrose de cauda e precisam, portanto, ser monitoradas e, quando em quantidade tida como de risco, combatidas com produtos adsorventes e inativadores enzimáticos.

Aminas biogênicas, frutos da degradação das proteínas ou até mesmo da putrefação de farinhas de origem animal eventualmente presentes na ração podem gerar o quadro.

A abordagem terapêutica consiste em separar os suínos afetados para baias de enfermaria, limpar a lesão, aplicar cicatrizantes/ repelentes tópicos e antibiótico parenteral para evitar a infecção pela contaminação ambiental.

A prevenção da necrose da cauda depende da identificação e retificação dos fatores desencadeantes potenciais presentes nas granjas.

Como pudemos constatar a necrose de cauda, seja em leitões novos ou próximos do abate é um quadro com diversas explicações que passam por instalações, manejo, nutrição e agentes infecciosos. Para mitigar o seu impacto é fundamental realizar uma investigação profunda e abrangente para detectar quais fatores desencadeantes estão presentes e atuando para retirá-los e dessa forma conseguir o referido objetivo.