Vá para o conteúdo
Voltar para ínicio
Voltar
  • Pesquisa
  • Micotoxinas
  • Ração
  • Pesquisa
  • Micotoxinas
  • Ração

Resultados da Pesquisa Mundial de Micotoxinas BIOMIN 2018

O Relatório da Pesquisa de Micotoxinas de 2018 incluiu 18.424 amostras de matérias-primas e ração terminada procedentes de 79 países.

Para avaliar as diferentes contaminações por micotoxinas, um total de 81.936 análises foram realizadas. Com base neste amplo conjunto de dados, apresentamos os principais perigos representados pelas mais importantes micotoxinas para a qualidade da ração e a produção animal. Estes resultados também proporcionam uma visão sobre a ameaça das micotoxinas em 2019. Apresentamos uma visão geral das diferentes regiões do mundo.

O relatório da pesquisa fornece informações sobre a ocorrência e os níveis médios de contaminação das micotoxinas mais conhecidas, como as aflatoxinas (Afla), zearalenona (ZEN), desoxinivalenol (DON), toxina T-2 (T-2), fumonisinas (FUM) e ocratoxina A (OTA). As amostras foram obtidas a partir de rações terminadas e matérias-primas, incluindo milho, trigo, cevada, arroz, soja, silagem de milho, aveia, grãos secos de destilaria com solúveis (DDGS) e silagem. Para cada região do mapa, um nível de risco geral é indicado por uma cor. Estes níveis de risco têm como base a porcentagem das amostras nas quais pelo menos uma micotoxina excedeu os níveis de limite de risco para animais de produção. Os limites são definidos pela BIOMIN e se baseiam em anos de experiência prática e pesquisas científicas. Estes limites consideram a espécie mais sensível para cada micotoxina.

Limite de risco recomendado das principais micotoxinas em ppb
AflaZENDONT-2FUMOTA
2501505050010

Resultados

Os níveis de risco variam de risco moderado na Oceania a risco extremo no Sul da Ásia e China/Taiwan. Seguindo a tendência dos últimos anos, a FUM foi altamente prevalente com altas concentrações médias em muitas regiões do mundo. As fumonisinas são produzidas pelos fungos Fusarium proliferatum e F. verticilloides, encontrados predominantemente em produtos do milho. Em 2018, 68% das amostras analisadas globalmente foram positivas para fumonisinas. Como esperado, o milho foi particularmente muito afetado e a ocorrência foi maior em regiões mais quentes. Outros fungos do gênero Fusarium produzem DON, que é a segunda micotoxina mais abundante. DON tende a ser mais comum que a FUM em regiões mais temperadas, porém pode também ser um problema em condições subtropicais e tropicais.

A contaminação por micotoxinas varia entre as diferentes regiões. 

As mudanças climáticas resultam em condições climáticas extremas e esse é um dos fatores mais importantes que contribuem para a mudança dos padrões de ocorrência de micotoxinas no mundo.
Alexandro Marchioro, Gerente de Produto para Gestão do Risco de Micotoxinas da BIOMIN, aponta um fator importante que influencia a ocorrência de micotoxinas.

A cocontaminação continua sendo um assunto de destaque. Um total de 70% das amostras continha duas ou mais micotoxinas. A contaminação por múltiplas micotoxinas representa uma ameaça adicional à produção animal, pois sabe-se que certas combinações de micotoxinas têm um efeito sinérgico que agrava as consequências negativas para os animais. Outro problema que não deve ser subestimado são os efeitos subclínicos das micotoxinas sobre a saúde animal, como redução da produtividade ou aumento da suscetibilidade a doenças. Tais efeitos podem estar presentes mesmo com baixos níveis de contaminação.

América do Norte

Na América do Norte, DON foi a micotoxina mais abundante, alcançando 67% do total de amostras com uma média de 735 ppb. Observamos um aumento na contaminação de cereais por DON, de 65% em 2017 para 86% em 2018, com uma média de 1.853 ppb. As fumonisinas estavam presentes em 70% das amostras de milho analisadas, com uma média alta de 3.497 ppb.

O DDGS, outro subproduto importante do milho, foi especialmente sujeito à contaminação por DON: a prevalência foi de 98%, com uma contaminação média de 1.420 ppb.

North America (USA & Canada)

América do Sul

Nesta região, o risco é alto, com 72% das amostras contendo pelo menos uma micotoxina acima do limite de risco. O DON estava presente em 88% das amostras de cereais e observou-se uma alta concentração média (1.949 ppb). Além disso, observou-se uma concentração máxima de 8.750 ppb.

A FUM foi a micotoxina mais abundante nesta região. Esta micotoxina contaminou 86% do milho, 100% do DDGS e 89% das amostras de ração terminada. Foram observadas concentrações de até 72.100 ppb de FUM. Na Argentina, a concentração média de FUM aumentou de 2.800 ppb em 2017 para 4.762 ppb em 2018.

No Brasil, a micotoxina mais prevalente foi a FUM (73%), com uma contaminação média de 2.144 ppb. A segunda micotoxina mais prevalente foi DON (70%; média de 1.073 ppb). No milho, a FUM foi a micotoxina mais abundante (86%, média de 2.605 ppb).

Latin America

Europa

Na Europa, a micotoxina mais prevalente foi DON, com 63% de abundância e uma contaminação média de 601 ppb. A segunda micotoxina mais prevalente foi FUM (57%; 664 ppb), seguida de ZEN (56%; 154 ppb). Em comparação a 2017, observou-se um aumento na abundância de FUM (de 51% para 57%). No milho, a FUM foi sem dúvida a micotoxina mais frequentemente encontrada. Observou-se um aumento da prevalência de toxina T-2 e, mais ainda, ZEN, de 2017 para 2018.

Diferenças regionais podem ser observadas. No Sul da Europa, a FUM foi a micotoxina mais prevalente (84% de abundância; contaminação média de 1.031 ppb). Ao contrário do ano passado, a ZEN se tornou extremamente abundante no Sul da Europa (de 33% para 67%), porém com baixa concentração média (34 ppb). A ocorrência de aflatoxinas foi maior no Sul da Europa (21%) em comparação ao Norte, Leste e Centro europeu. No Leste e Norte da Europa, a maioria das culturas estava contaminada por DON (66% em ambas as regiões). Como normalmente ocorre, a abundância da toxina T-2 foi maior nessas regiões. Na Europa Central, DON foi novamente a micotoxina mais frequentemente encontrada (64%).

Europe

Oriente Médio

No Oriente Médio, FUM, ZEN e DON foram muito prevalentes (87%, 71% e 65%, respectivamente). As concentrações médias para estas micotoxinas foram de 1.074 ppb (FUM), 48 ppb (ZEN) e 316 ppb (DON). Todas as amostras de milho do Oriente Médio estavam contaminadas por FUM e a concentração média foi de 3.101 ppb. Além disso, as amostras de ração terminada apresentaram alta frequência de FUM (97%, média de 989 ppb). A Afla representou algum risco nas amostras do Egito e dos Emirados Árabes Unidos.

Middle East

África

A maioria das amostras incluídas na pesquisa para a região da África se originou da África do Sul. Portanto, a imagem mostrada no relatório representa principalmente a situação na África do Sul. Aqui, detectamos uma abundância quase igual de FUM, DON e ZEN (74%, 72%, 72% respectivamente) com concentrações médias de 422 ppb, 736 ppb e 67 ppb. O DON representa o maior risco à produção animal nesta região. A abundância de DON foi de 84% no milho (média de 741 ppb) e alcançou uma concentração máxima de 12.220 ppb, seguida da FUM com 77% (média de 640 ppb; máxima de 9.373 ppb). Além disso, uma alta taxa de contaminação por FUM e DON foi observada na ração terminada (96% e 89%). É interessante observar que as amostras de soja da África do Sul continham maiores concentrações médias de ZEN (343 ppb) e um máximo de 4.336 ppb; 29% das amostras estavam contaminadas.

Africa

Ásia

Na Ásia, o principal risco foi representado pela Afla, seguida de FUM e DON. Em geral, a FUM foi a micotoxina mais prevalente (82%), seguida de DON. Das amostras de milho da Ásia, 96% foram positivas para FUM, com concentração máxima de 47.485 ppb. A Afla estava presente em 44% das amostras de ração terminada (média de 26 ppb; concentração máxima de 697 ppb).

Diferenças regionais também foram observadas na Ásia. O Sul da Ásia apresenta risco extremo. De todas as amostras, 87% continham Afla (38 ppb) e FUM foi encontrada em 97% das amostras de milho (concentração máxima de 4.962 ppb). Também se observou risco extremo também na China e Taiwan. O DON estava presente em 90% das amostras desses países, com uma concentração máxima de 53.796 ppb. A FUM foi a segunda micotoxina mais abundante. Esta micotoxina contaminou 96% do milho e 99% das amostras de ração terminada. O DON representa o principal risco no Leste da Ásia. Esta micotoxina estava presente em 82% das amostras e alcançou uma concentração máxima de 7.715 ppb. A Afla e a FUM, seguidas de DON, representam uma ameaça no o Sudeste da Ásia. A Afla foi encontrada em quase 70% das amostras de ração terminada. A FUM foi a micotoxina mais prevalente e a mais alta concentração na Ásia (123.444 ppb) foi observada nesta região. Na Oceania, DON foi a micotoxina mais abundante, particularmente em rações terminadas.

Asia & Oceania

A Pesquisa Mundial de Micotoxinas da BIOMIN constitui a pesquisa mais longa e abrangente nessa área e fornece dados valiosos para a gestão do risco de micotoxinas. Os resultados da pesquisa indicam que as micotoxinas representam um sério problema na produção agrícola. A ocorrência de múltiplas micotoxinas continua a ser uma ameaça global e regional, pois pode resultar em efeitos aditivos ou sinérgicos. Portanto, os resultados enfatizam a necessidade de monitoramento constante das micotoxinas nos ingredientes e de uma gestão do risco de micotoxinas adequada.

Soluções

Loading