Resultados da Pesquisa Mundial de Micotoxinas BIOMIN 2018

Os resultados da Pesquisa Mundial de Micotoxinas BIOMIN demonstram a incidência de aflatoxinas (Afla), zearalenona (ZEA), desoxinivalenol (DON), toxina T-2 (T-2), fumonisinas (FUM) e ocratoxina A (OTA) nos principais ingredientes utilizados em rações animais. Entre estes ingredientes estão o milho, trigo, cevada, arroz, farelo de soja, farelo de glúten de milho, grãos secos de destilaria com solúveis (DDGS) e silagem, além de outras fontes. 

Figura 1. Mapa global da ocorrência e risco de micotoxinas em diferentes regiões. Quadrados indicam a porcentagem das amostras analisadas que apresentaram contaminação pelas respectivas micotoxinas em uma região. Cores indicam diferentes níveis de risco, de acordo com a legenda.

Níveis de risco

Considerando a alta sensibilidade das ferramentas modernas de detecção, a simples observação da presença de micotoxinas torna-se insuficiente e suas concentrações devem ser analisadas. Consequentemente, os resultados recentes incluem um mapa de risco das micotoxinas, que tem como base tanto a presença de micotoxinas quanto os potenciais riscos que elas representam para os animais, dependendo dos níveis associados aos riscos conhecidos à saúde.

A Figura 1 mostra os dados de ocorrência de micotoxinas em cada região, expressos como porcentagem de todas as amostras analisadas. O nível de risco para uma determinada região (indicado por cores, de acordo com a legenda do mapa) é determinado pela porcentagem das amostras de micotoxinas que excederam os limites máximos estabelecidos para animais de produção. Os níveis de risco são definidos a partir da experiência prática global no campo e, também, dos experimentos científicos realizados para simular as situações de campo da forma mais realista possível. Os níveis de risco consideram também as espécies mais sensíveis a cada micotoxina. 

Os níveis médios de risco usados como referência não impedem a ocorrência de contaminações específicas e severas por micotoxinas em granjas ou fazendas localmente, assim como não consideram o impacto negativo da presença de múltiplas micotoxinas.

O mapa de risco considera a ocorrência de uma única micotoxina. Isso pode subestimar a real ameaça que as micotoxinas representam aos animais devido aos seus efeitos sinérgicos (a presença de múltiplas micotoxinas compõe um risco potencial) e seus efeitos subclínicos (mesmo que em níveis baixos de contaminação, as micotoxinas podem prejudicar a saúde e desempenho dos animais).

Percepções regionais

As regiões do Sul da Ásia e China/Taiwan enfrentam as ameaças mais severas de riscos relacionados às micotoxinas em animais de produção. Ambas as regiões são confrontadas com um risco extremo, uma vez que mais de 85% das amostras analisadas apresentaram níveis de contaminação acima dos limites máximos. A Tabela 1 mostra uma perspectiva geral do número de amostras analisadas, ocorrência, níveis médios de contaminação e valores máximos de contaminação. De maneira geral, as fumonisinas (FUM) e o desoxinivalenol (DON) foram as principais ameaças, e em diversas amostras foi observada co-ocorrência das duas micotoxinas.

Tabela 1. Resultados detalhados da ocorrência de micotoxinas por região

Europa

A Europa foi classificada como uma região com risco moderado a severo, sendo que mais da metade das amostras analisadas apresentaram níveis de micotoxinas acima do limite máximo. Uma exceção notável foi a Europa Central, que exibiu um limite de risco de 45%. As amostras provenientes do Sul da Europa apresentaram altíssima incidência de fumonisinas (FUM) – 84% e uma média de 1031 ppb. Os níveis de desoxinivalenol (DON) na Europa Central e Norte da Europa aumentaram em 2018 – na Europa Central, a prevalência foi alta (64%), com uma média de 776 ppb. As amostras provenientes do Norte da Europa apresentaram níveis semelhantes de DON, com prevalência de 66% e uma média de 724 ppb. Os níveis de DON foram especialmente altos em cereais como trigo, cevada, etc., tendo sido observada uma média de 912 ppb.

Ásia

A Ásia apresentou o maior nível de risco este ano. Na China, as fumonisinas (FUM) e o desoxinivalenol (DON) prevaleceram, particularmente em amostras de milho. Um total de 96% das amostras de milho estavam contaminadas com ambas as micotoxinas. A contaminação média de FUM foi de 3438 ppb, enquanto os níveis de DON foram, em média, de 540 ppb. O Sul da Ásia se diferenciou das outras regiões por apresentar outras preocupações além de FUM e DON. As aflatoxinas (Afla) estavam presentes em 44% das amostras analisadas nessa região. Além disso, 87% das amostras apresentaram Afla, sendo a maioria amostras de ração. A maior contaminação de Afla foi de 697 ppb, enquanto o nível de FUM foi de 47.285 ppb. Embora esse valor seja alto, ele representa menos de um terço da maior ocorrência de FUM observada no ano passado. A zearalenona (ZEA) foi a terceira micotoxina mais presente nas amostras da Ásia, tendo sido detectada em 65% das análises.


América do Norte

O desoxinivalenol (DON) e as fumonisinas (FUM) representaram as principais ameaças aos animais de produção na América do Norte. A contaminação de cereais por DON variou de 65% em 2017 a 86% em 2018, com um nível médio de 1853 ppb. As FUM estavam presentes em 70% das amostras de milho analisadas, com uma média de 3497 ppb. A concentração média de contaminação por FUM mostrou-se relativamente alta para a região (3001 ppb). Os grãos secos de destilaria com solúveis (DDGS), importantes subprodutos do milho, foram especialmente suscetíveis à contaminação por DON: foi observada uma prevalência de 98% e uma contaminação média de 1420 ppb. Zearalenona (ZEA), Aflatoxina (Afla) e Ocratoxina A (OTA) foram detectadas em 34%, 8% e 3% das amostras, com níveis médios de 362 ppb, 17 ppb e 13 ppb, respectivamente. A maior concentração mundial de FUM foi observada na América do Norte (130.724 ppb).

América do Sul e América Central

Em geral, foram observados altos riscos nessas regiões. A América Central exibiu um nível de risco de 70%, enquanto que na América do Sul o nível foi de 72%. Na América do Sul, o desoxinivalenol (DON) esteve presente em 88% das amostras de cereais, com altas concentrações médias (1949 ppb). Além disso, uma concentração máxima de 24.880 ppb foi detectada. As fumonisinas (FUM) é a micotoxina mais abundante nessa região e é responsável pela contaminação de 86% das amostras de milho, 100% dos grãos secos de destilaria com solúveis (DDGS) e 89% das amostras de ração. Foi detectada uma concentração de FUM de 72.100 ppb. Um país onde a contaminação por FUM teve destaque foi a Argentina, com um nível médio de 4762 ppb. 

No Brasil, a micotoxina mais encontrada são as FUM, com índice de ocorrência de 73% e contaminação média de 2144 ppb. A segunda micotoxina de maior incidência é o DON (70%, 1073 ppb). No milho, as FUM são as micotoxinas mais detectadas (86%), com nível médio de 2605 ppb.

Oriente Médio

O Oriente Médio apresentou um nível severo de risco, com limite total de 60%. Em particular, a prevalência de fumonisinas (FUM), desoxinivalenol (DON) e zearalenona (ZEA) tem aumentado na região, com níveis de contaminação de 87%, 65% e 71%, respectivamente. Nas amostras de milho, observa-se uma situação ainda mais negativa, com prevalência de 100% de FUM e um nível médio de contaminação de 3101 ppb. 


África

Da mesma forma que em 2017, a micotoxina mais comum na África foi o desoxinivalenol (DON), que foi detectado em 77% das amostras analisadas. A concentração média foi de 736 ppb. A fumonisina (FUM) foi detectada em 77% das amostras, enquanto a zearalenona (ZEA) estava presente em 72% delas. O nível de risco na África do Sul individualmente (67%) foi superior ao de todo o continente (65%). 
 

Conclusão

A análise de 18.424 amostras, realizada nessa pesquisa, ressalta a importância de se monitorar e medir continuamente as micotoxinas em grãos e rações. Somente com base em dados confiáveis de contaminação por micotoxinas os profissionais envolvidos com a produção animal poderão criar estratégias de defesa na forma de um programa efetivo de manejo de risco, o qual funcionará como uma proteção contra os impactos negativos das micotoxinas sobre a saúde e desempenho dos animais.