Micotoxinas

Os ruminantes têm alguma capacidade para se protegerem dos efeitos nocivos das micotoxinas graças a uma certa ação desintoxicante de certos microorganismos do rúmen. Contudo, as vacas leiteiras da atualidade apresentam uma taxa de passagem muito mais rápida de ração pelo rúmen, deixando menos tempo para a desintoxicação dos microorganismos. Este aspecto, conjugado a uma ingestão de ração mais elevada, significa provavelmente que as defesas naturais das vacas não conseguem protegê-las tão bem quanto muitas vezes se supõe.

Os efeitos nocivos das micotoxinas não começam com o metabolismo do animal, mas com a microflora do ruminal que afeta a eficiência e a produtividade das fermentações no rúmen. Na realidade, os sintomas clínicos podem não se manifestar na maioria das situações práticas, mas o desempenho será subsequentemente comprometido, resultando numa diminuição da produtividade, má reprodução e aumento da claudicação ou mastite.

A maioria dos países estabelece rigorosos limites para aflatoxinas no leite, mas a atenção legislativa carece por vezes de outros importantes grupos de micotoxinas que podem afetar bastante a rentabilidade e a saúde e o bem-estar dos animais. Alguns dos grupos de micotoxinas mais importantes para os ruminantes são:

  • Tricotecenos, incluindo as bem conhecidas micotoxinas, tais como DON (desoxinivalenol ou vomitoxina)
  • Zearalenona
  • Alcaloides de ergot
Efeitos da Micotoxinas

Produtos

Mycofix®

Mycofix®

A linha de produtos Mycofix® representa aditivos para rações especialmente desenvolvidos que protegem a saúde do animal ao desativarem as micotoxinas encontradas nas rações contaminadas. O Mycofix® é adequado para utilização em rações para aves de corte, suínos e ruminantes, bem como dietas de peixes e camarões.

Saiba mais

Tem dúvidas sobre este assunto?