Science & Solutions No. 58 - Aquaculture

Quando foi o seu último check-up do desempenho intestinal?

A indústria da aquacultura está atravessando um período de rápido crescimento e investimento devido à alta demanda por proteína aquática. As técnicas de produção intensificaram-se e a inovação nas técnicas de manejo estão sendo constantemente implementadas para maximizar a produtividade. Graças às inovações, os peixes estão sendo produzidos até no deserto!

Porém, a indústria da aquacultura também deve permanecer adaptável para se manter naturalmente à frente. A simples adoção de novas tecnologias não é garantia de sucesso. As espécies aquáticas são extremamente sensíveis a um grande número de fatores externos que devem ser gerenciados ao longo do ciclo de produção.
Tradicionalmente, a gestão de doenças na indústria da aquacultura implica a administração de antibióticos. Contudo, diretrizes regulamentares e a demanda de consumidores por produtos à base de peixe e camarão sem antibióticos mudaram o mercado. Graças à introdução de alternativas naturais, aditivos para rações, tais como ácidos orgânicos, fitogênicos e probióticos, podem ser utilizados no lugar dos antibióticos para redução do desafio de doenças. No primeiro artigo da página 4 deste número da Science & Solutions abordamos os resultados obtidos com ácidos orgânicos e levedura.
A utilização de proteínas à base de plantas em rações aquáticas é uma alternativa rentável ao farelo de peixe. Os produtores devem estar cientes de que as fontes de proteínas à base de plantas são muitas vezes contaminadas por micotoxinas prejudiciais. A indústria da aquacultura tem relativamente poucos conhecimentos ou experiência sobre como lidar com esses fatores antinutricionais em comparação com outros produtores de gado terrestre. Na página 9, Rui Gonçalves destaca cinco sugestões de gestão que o setor da aquacultura pode empregar graças à experiência acumulada pelo setor da pecuária.
Por último, assim como acontece em qualquer indústria, a medição e o monitoramento do desempenho são essenciais. A medição contínua dos indicadores de desempenho, como os apresentados na página 15, possibilitará a identificação precoce de problemas de modo que os ajustes necessários possam ser feitos para garantir a máxima rentabilidade. Você utiliza algum ou todos estes indicadores de desempenho no seu negócio? Independentemente da fórmula que utiliza, fale com o seu representante BIOMIN sobre a implementação de melhoramentos no seu desempenho.

Esperamos que aprecie a leitura deste número da Science & Solutions, que o mantém naturalmente informado.

NESTA EDIÇÃO:

Os ácidos orgânicos e a levedura autolisada reduzem o impacto dos agentes patogênicos nos peixes
O aumento da demanda por proteína aquática está intensificando a produção da aquacultura, o que está aumentando a incidência de doenças. Elevadas densidades populacionais e elevadas produções orgânicas proporcionam ótimas condições para a disseminação de agentes patogênicos, incluindo um vasto leque de micro-organismos, vírus, parasitas e fungos. Os ácidos orgânicos e produtos de levedura autolisada podem reduzir o impacto dos agentes patogênicos, auxiliando o desempenho e a rentabilidade.

Gestão de micotoxinas na produção de animais de pecuária: um modelo para a aquacultura?
O crescimento e a sustentabilidade futuros da indústria da aquacultura dependem da capacidade do setor para identificar fontes alternativas de proteína para substituir o farelo de peixe nas rações aquáticas. Consequentemente, estão disponíveis muitas alternativas novas, p. ex., farelo de insetos, farelo de macroalgas ou proteína unicelular. Contudo, os custos elevados e a disponibilidade limitada continuam sendo desafios a superar. Os farelos à base de plantas parecem ser uma das soluções mais promissoras e viáveis, mas um problema comum é a presença de micotoxinas.

Explicação dos indicadores de desempenho aquático
A equipe internacional para assuntos de aquacultura da BIOMIN explica os 5 principais indicadores de desempenho aquático.

Subscrever